Dia de preguiça

Tem dias que a gente não funciona bem. E, exatamente nesses dias, tudo conspira contra: não há mais tarefas para concluir no trabalho, seu estômago implora por alimento (já que você não almoçou naquele dia) e, pra variar, nunca chega a hora do rodízio de veículos acabar para poder ir para casa, tirar os sapatos, comer algo bem gostoso, ficar com quem a gente gosta, assistir um ótimo filme e simplesmente esquecer que o resto do mundo existe. Pois bem, hoje é um dia desses para mim.

Arroz doce aromatizado com cardamomo
com compota picante de ameixas
Em dias como esse, tudo o que queria era estalar os dedos e uma comida perfeita estar pronta diante dos meus olhos. O problema é que nesses dias não sei nem mesmo dizer que comida eu gostaria de comer. Não tenho vontade de cozinhar, de comer guloseimas de padaria, de pegar o telefone e ligar para a pizzaria... não tenho vontade de ficar pensando! O cúmulo da preguiça.

Falando em preguiça, lembrei que costumava a assistir um programa muito bom na Fox Life, que era The Delicious Miss Dahl. Era um programa (culinário, pra variar) de uma inglesa que fazia receitas inspiradas em certos estados de espírito. Foram poucos programas, mas achei muito criativo, afinal nosso humor influencia naquilo que a gente vai cozinhar e comer.

No passado não muito longínquo, por exemplo, as mulheres durante o período da menstruação eram 'proibidas' de fazer bolos, porque havia a crença de que os bolos não cresciam ou murchavam. A gente não pode negar que durante o período menstrual nós, as mulheres, ficamos extremamente sensíveis, beirando ao surto psicótico (Fê, sem ofensas, mas era você que falava assim: 'acho que vou ter um surto psicótico?').


Foi então que fechei os olhos e tentei me concentrar na refeição ideal (e fácil de fazer)...

Uma salada na medida certa 

Salada é sempre fácil, basta cortar as folhas em pedaços menores (nunca com a faca e sempre com as mãos, assim você não perde fibras e nutrientes), misturar e adicionar os temperos:
Folhas de alface mimosa (difícil de descrever, mas podemos dizer que é uma alface menos crespa ou uma alface menos lisa - só que o sabor é um pouco diferente, menos amarga que essas e menos rígida que a alface americana)
Alface mimosa, um mimo de folha

Folhas de alface frisée (quando minha mãe me ensinou chamava chicória) - dê preferência para folhagens novas com coloração verde claro, que são menos amargas

Palmitos em conservas picados em rodelas (particularmente, ainda que eu seja super ambientalista, eu prefiro mil vezes o palmito de açaí, menos doce, mais branquinho e cremoso; pena que não é tão ecológica... um dia eu conto a minha relação com palmitos e uma aula de direito penal)

Suco de limão (se utilizar o suco do limão siciliano, aquele grandão de casca amarela, você verá que a salada fica mais rica em aromas sem aquele gosto ácido)
Azeite, sal e pimenta

Farofa de azeitonas pretas (what a hell is this? simples: pegue azeitonas pretas, tire os caroços, coloque sobre uma folha de papel toalha e leve ao microondas até secarem - para 100g de azeitona aproximadamente 10min em potência alta; elas devem se desfazer em pó quando enfriarem, daí é possível bater no processador)

Um salgado especial

Para a massa nada mais, nada menos do que um pacote de bolacha água e sal e 200g de margarina.
Triture as bolachas no liquidificador e, com as mãos, junte a margarina.
Você terá uma massa parecida com uma 'farofa molhada'.
Com as mãos, forre o fundo e a lateral de uma forma pequena (de preferência com fundo removível).

Para o recheio, doure ligeiramente cubinhos de bacon. Usei um pedaço que tinha uns 10cm.
No liquidificador, junte: 3 ovos inteiros, 2 xícaras de queijo prato ralado (ralador grosso), 1 lata da de creme de leite, sal, pimenta do reino e noz moscada.
Depois de bater bem, misture com uma colher os pedaços de bacon já refogados.

Despeje o recheio sobre a forma forrada com a massa e leve ao forno pré aquecido a 180°C por cerca de 40-50min ou até ficar levemente dourado.

Assim que sair do forno o 'recheio' pode estar um pouco mole que endurecerá assim que esfriar.

Um doce simples e cativante

Pensei numa sobremesa revigorante... um arroz doce, porém com estilo.

Coloque 1/2 litro de leite para ferver com 1 pedaço de canela em pau e as sementes de 8 bolinhas de cardamomo (são bolinhas verdes não muito comuns, que possuem sementes bem pequenas dentro; o cheiro e o gosto lembra gengibre). Quando estiver fervendo junte 1/2 xícara de arroz arborio (esse é aquele arroz usado para risoto, mas nada impede usar o comum).

Abaixe o fogo e deixe o arroz cozinhar, mexendo para não deixar grudar no fundo da panela - igualzinho ao arroz salgado. Se o arroz estiver secando, adicione mais leite (sempre de quente para morno).

Ao final, antes de desligar, adicione 1 lata de leite condensado e uvas passas (também é possível adicionar amêndoas picadas).
Para completar: uma compota de ameixas com pimenta branca. Para isso, pique grosseiramente ameixas (frescas, não secas) e coloque numa panela. Cubra as ameixas com açúcar cristal (melhor que o açúcar refinado nesse caso, para não criar cristais). Adicione o suco de uma laranja e 1 colher de chá de pimenta branca. Leve ao fogo até o açúcar derreter e as ameixas cozinharem (elas ficam meio transparentes).

Sirva arroz e coloque por cima uma porção das ameixas.

Referência: Receitas da Miss Dahl

Comentários

  1. Alê,
    muito mimoso.
    Colocarei suas receitas em prática.
    Bjos

    Gigi

    ResponderExcluir
  2. Hahahaha Sim! Era eu com os surtos psicóticos. Sob esse aspecto, não mais, mas ainda os tenho por outras razões... Kkkkkk
    Gostei da refeição "simples" de fazer. Mas sabe quando eu chegaria MORTA em casa e faria essa refeição "simples"...? Acho que eu pararia na metade da montagem da salada. Muito embora pareça deliciosa. ;-)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Enfim, macarons

Bavaroise de Capuccino e os segredos do crème anglaise

Bolo brownie de aniversário e o ano promete!